Felicidade: um trabalho interior – Práticas para alcançar a felicidade
By Cláudio

Felicidade: um trabalho interior – Práticas para alcançar a felicidade

Compartilhe

Felicidade: um trabalho interior – Práticas para alcançar a felicidade

PRÁTICA 8: Precisamos aprender a nos comunicar de maneira efetiva -parte 2

O ouvir na comunicação:

Preciso ouvir para saber quem é o outro: suas emoções, suas expressões, seu corpo: Para conseguir isto, precisamos silenciar nossa mente inquieta que sempre procura se proteger de uma imaginária ameaça vinda do outro. Desenvolver a habilidade da observação e da atenção plena é fundamental para percebermos quem é este outro que nos fala;

Consinta com a cabeça e agradeça pela partilha ao final: Com um movimento de confirmação, demonstre seu interesse pelo assunto desenvolvido pelo outro e ao final agradeça a confiança depositada em você;

Respeitar o silêncio e vazio na comunicação: O silêncio às vezes fala muito mais do que as palavras. O vazio da comunicação está comunicando muito. Respeitar e procurar entender isto é fundamental para aumentar a confiança mútua;

Interromper só para esclarecer: Não interrompa com conselhos. Só devemos interromper para esclarecer algo.

Preparar o ambiente: Um ambiente aconchegante e acolhedor facilita e transmite confiança para quem vai falar

Paciência, empatia para saber o que é o outro: Dar retorno da sua compreensão sobre a fala e comportamento do outro, fazendo perguntas de sondagem se você está correto nas suas observações.

O menos importante na comunicação são as palavras: Escutar o não dito, compreender a expressão corporal, a fisionomia e o tom das palavras é fundamental para uma eficácia na comunicação

Semântica e outros problemas:

As palavras podem ser mal interpretadas por alguns motivos:

A) – Preconceitos: Temos que tomar cuidado com nossas crenças. Elas podem fazer um estrago na comunicação

B) – Imaginação: Ao invés de escutar o real, criamos uma comunicação imaginária, totalmente fora dos propósitos.

C) – Cultura: Ela pode também interferir no diálogo entre as pessoas

D) – Traumas: Experiências negativas e traumatizantes do passado podem afastar os comunicadores, gerando ilhas de solidão mesmo dentro da própria casa.

A tentação de desistir:

“Os vencedores nunca desistem. Os que desistem nunca vencem”

A crise é um teste de determinação. É uma oportunidade de colocarmos em prática a posição de ‘POSSUIDORES’ e abandonar o lugar de “ACUSADORES”

A decisão de continuar tentando faz parte do compromisso do amor.

Um relacionamento é sempre fortalecido quando supera uma crise.

O essencial é reabrir os canais de comunicação e continuar tentando.

Meu comentário:

Esta frase “os vencedores nunca desistem. Os que desistem nunca vencem” produz uma reflexão profunda em nós cabendo aqui uma pergunta: De que lado estou dos vencedores ou dos que desistem (perdedores)?

Por tudo isto temos que desenvolver a posição de “POSSUIDORES” e abandonar o lugar de “ACUSADORES”.

Elaborando essas ideias:

1 – Descubra seu medo maior na comunicação:

O que pode acontecer de pior se:

  1.  você for aberto e honesto com todas as pessoas? Ser rejeitado
  2. Você for um ouvinte empático e atento?
  3. Qual o aspecto da intimidade que mais o amedronta?

2 – Escreva uma página sobre como é “Ser você”

3 – Escreva numa página o que é “ser o outro” descrevendo outra pessoa

Lembre-se:

“Nossos segredos nos deixam doentes” Quanto mais nos doarmos, com liberdade e mais recebermos com gratidão, mais saudáveis nos tornaremos.    

Baseado no livro: Felicidade: um trabalho interior – Autor: John Power

Editora Crescer

Adaptação: Cláudio Martins Nogueira – Psicólogo Clínico – Especialista em DQ

  • No Comments
  • Junho 18, 2024
× Como posso te ajudar?