Felicidade: um trabalho interior – Prática 4
By Cláudio

Felicidade: um trabalho interior – Prática 4

Compartilhe

Práticas para alcançar a felicidade

NÚMERO 04 – Precisamos Fazer da nossa vida um ato de amor

O que é o amor?

“A maioria das pessoas definem o amor como um sentimento. Outras pessoas confundem o amor com necessidades”

A expressão do amor verdadeiro é: “Preciso de você porque te amo” é trocada por: “Eu te amo porque preciso de você”

Meu amor deve ser sempre um presente que ofereço a você.

“O amor verdadeiro é uma decisão e um compromisso”. Ou melhor: “O amor é uma escolha”

“A pessoa que decidiu fazer de sua vida um ato de amor, não busca primariamente o prazer ou o aplauso. Seu desejo básico é simplesmente se tornar um ser humano que ama. Sua questão básica é: “O que posso fazer por amor?”

O amor em níveis diferentes

            Uma pessoa que ama tenta reconhecer e atender as necessidades de todos, na medida do possível. No entanto existe sempre uma ordem de prioridade que corresponde ao nível de compromisso.

O amor por si mesmo e amor pelos outros

            O amor começa em casa. Precisamos começar amando a nós mesmos. Se eu falhar em me amar, vou falhar ao amar o outro.

            Se eu quiser ser uma pessoa que ama, devo valorizar igualmente minha felicidade, minha segurança e meu bem estar assim como a do outro.

            Uma pessoa que ama é chamada a tomar muitas decisões difíceis e estabelecer prioridades é certamente uma delas. A maioria destas decisões tem a ver com o que é bom e saudável para o ser amado. Não devemos ceder as manipulações da pessoa que a gente ama. Isso não é amar.

            Agir com amor significa não ceder um só centímetro. O amor me proíbe de ser a “válvula de escape” do outro. Por amor, posso ter que confrontar meu parceiro ou afastar-me dele.

            Quem ama verdadeiramente confronta o outro diante de erros e falhas. A pessoa só inicia seu processo de mudança quando permitimos que sinta o impacto total da dor e sofra as suas consequências.

O terceiro objeto do amor: Deus

Além de amar eu mesmo e o outro, devo amar a Deus e Senhor com todo meu coração, mente e vontade. Amar a Deus acrescenta uma nova dimensão ao amor. Se colocar a serviço deste Poder Superior nos convida a responder as seguintes perguntas:

1 – Faço meus próprios planos e peço a Deus para apoiá-los?

Ou

2 – Pergunto a Deus quais são seus planos, e então procuro saber qual é a minha participação nesses planos?

Na primeira pergunta temos Deus nos servindo. Na segunda, servimos a Deus

Um bilhete para nosso espelho:

“Quais são seus planos para hoje meu Deus? Gostaria de fazer parte deles”

Como rezamos o Pai Nosso no nosso íntimo? “Seja feita a vossa vontade”, ou “Seja, feita a minha vontade”?

A vontade de Deus é que eu desenvolva meus talentos. A glória de Deus é vivermos em plenitude.

Amor por Deus = Amar ao próximo como a nós mesmos e cumprir Sua vontade em tudo na nossa vida.

Os três elementos do amor ao próximo

a)         – Bondade: Meu compromisso é com você;

b)         – Incentivo: Não deixar que você dependa da minha força;

c)         – Desafio: Faça! Vá em frente! Você consegue!

O verdadeiro amor é incondicional

            O amor condicional é ameaçador

Amor e deslealdade

            Preciso aprender equilibrar o amor por mim e meu amor por você. Preciso sempre me perguntar:

“Como posso preservar minha autoestima e ajudar você ao mesmo tempo?”

O amor é sem dúvida uma arte e não uma ciência. Não há respostas claras e obvias.

Diante da deslealdade temos que fazer uma outra pergunta:

“Considerando as circunstâncias, qual seria a melhor coisa a fazer e a dizer para você e para mim?” Talvez a melhor saída e lhe pedir para escolher entre continuar comigo, sendo leal, ou continuar desleal, sem mim.”

A amor inclui…O amor exclui

O que é amor e o que não é amor? Para você o que é e o que não é amor?

Duas dádivas para todos os momentos

a)         Auto revelação – Ser aberto e totalmente honesto é como oferecer ao próximo uma hospitalidade cordial: “Por favor, entre e fique à vontade comigo” Nos revelar ao outro que a gente ama é um convite à intimidade. O amor é honesto e aberto, mas também cheio de tato e muito bondoso.

b)         Valorização sincera – Reconhecemos e ajudamos o outro a valorizar e apreciar suas qualidades e seus talentos. Reconhecemos sua importância como pessoa e seu senso de valor. Ninguém pode acreditar em si mesmo se os outros que lhe ama não acreditam. Essa é a maior contribuição que o verdadeiro amor pode dar. Ela pode transformar o outro. Ela pode transformar o mundo.

Sofrimento: O maior obstáculo ao amor

            O sofrimento com seus medos mina a capacidade de amar outra pessoa.

Fomos feitos para amar e crescer. Assim como as doenças podem impedir o crescimento, o sofrimento pode impedir a aprendizagem do amor.

“Nossa dor atraí nossa atenção para nós mesmos”. “Quando a dor se torna um estilo de vida, a pessoa se torna muito centrada em si mesma”. “Quando as pessoas sofrem conhecem apenas uma realidade: sua dor”

Por isto é importante identificar o problema nos ajuda a lidar com ele maneira mais efetiva.

O fracasso no amor leva a infelicidade crônica

            “Se uma pessoa não consegue se amar, terá muitos problemas pela frente. Se ela aprendeu, desde cedo, a não confiar nos outros, será impossível amar alguém. Nestas condições, não há qualquer esperança de felicidade.

O amor e o laboratório da vida

“Se algo nos perturba, é porque não exploramos inteiramente a causa da nossa infelicidade”. Pessoas desagradáveis são pessoas que sofrem. Ressentimos porque não conseguimos ver o sofrimento do outro. O ressentimento é uma forma de escravidão emocional.

“O preço para tornar minha vida um ato de amor significa reformular muitos dos meus hábitos e valores”.

Amor: um presente de Deus

“Deus não é limitado em suas dádivas” São Thomas de Aquino

O amor de Deus é para todos. Para quem tem fé ou não. Porém quem tem fé em Deus tem a possibilidade de ter uma relação amorosa com Deus. Deus é como uma tomada elétrica.

Assim, através da fé, precisamos dirigir nossa vida com a luz e a força divina. Devemos pedir a Deus que nos torne canais do seu amor, que preencha nossa fonte para que possamos dar de beber ao próximo.

Quando amamos, Deus se manifesta

Quando amamos, a graça de Deus flui para este mundo através do canal do nosso amor: curando-o endireitando suas linhas tortuosas, colando o que está fragmentado, iluminando sua escuridão. Somos apenas instrumentos de Deus. Por causa daqueles que amam, Deus mudará o mundo.

Amar todas as pessoas

“Nosso amor é um dom de Deus e ao mesmo tempo a condição para que Ele se manifeste em nós”. Somente quando nos conectamos com Deus seremos capazes de amar a todos, inclusive, nossos “inimigos”.

O amor nos faz felizes?

“A felicidade como subproduto do amor só pode ser aprendida através da experiência de amar”. “Se uma vida de amor é um conto de fadas, o inverso é um pesadelo”

O amor é a verdade que nos liberta

Quando nos relacionamos com “Um Deus amoroso que interage e se comunica conosco nos impulsiona para amar o outro”. “eles precisam que você os ame para que sabem como são bons”

Empatia – Colocar-se no lugar do outro é essencial para amá-lo

“Quando há o verdadeiro amor não existe a ansiedade e nem a preocupação. Isto é libertador”. A ansiedade e a preocupação surgem pelo egoísmo e pela vaidade.

“O amor é libertação, o amor suaviza a vida e a torna mais fácil. O amor quebra a tensão e a preocupação que temos com nós mesmos. O amor nos liberta para uma vida de paz. O amor nos dá a única e esperança concreta de felicidade duradoura

Suas ideias sobre o amor

1 – Escreva sua própria versão de “o que é o amor” e “o que não é amor” FAÇA SUAS LISTAS

2 – Faça uma lista:

a)         Dez pessoas que você conhece bem

b)         Coloque elas em ordem de acordo com a capacidade de cada uma em amar

c)         Coloque elas em ordem de quais são mais felizes

3 – Exercite sua empatia:

            Se coloque no lugar de alguém e veja com ela se você conseguiu compreendê-la

4 – Escreva um diário:

            Dos seus problemas, das suas dores físicas e emocionais e observe como estas coisas te afetou na sua capacidade de amar.

Baseado no livro: Felicidade: um trabalho interior – Autor: John Power

Editora Crescer

Adaptação:

Cláudio Martins Nogueira – Psicólogo Clínico – Especialista em DQ

  • No Comments
  • Novembro 17, 2023
× Como posso te ajudar?