A rosa e os espinhos
By Cláudio

A rosa e os espinhos

Compartilhe

Um homem plantou uma rosa e passou a regá-la constantemente. Antes que ela desabrochasse, ele a examinou e viu o botão que em breve desabrocharia, mas notou espinhos sobre o talo e pensou: “como pode uma flor tão bela vir de uma planta rodeada de espinhos tão afiados?”

Entristecido por este pensamento, ele se recusou a regar a rosa e antes mesmo de estar pronta para desabrochar, ela morreu.

Assim é com muitas pessoas. Dentro de cada um há uma rosa, são as qualidades que Deus nos deu, e que muitas vezes estão lá, no fundo do nosso coração esperando desabrochar.

Mas temos também os espinhos que são as nossas faltas. Muitas vezes olhamos para os outros observando somente os espinhos que as pessoas carregam, sem valorizar a rosa que está escondida no coração querendo desabrochar.

O amor é exatamente fazer com que o outro desabroche a rosa que ele carrega, mesmo tendo espinhos.

Autor desconhecido

Meu comentário:

A grande diferença entre o “Amor” e a “Paixão” é exatamente isto: Quem ama suporta os espinhos por causa da beleza da Rosa. Já a paixão não consegue ver os espinhos e só quer a beleza da Rosa. O apaixonado nega os espinhos e, fantasiando uma pessoa que não existe, passa pela vida reclamando de tudo e de todos.

Uma analogia muito interessante que costumo usar é baseada nos contos do Príncipe e da Princesa:

A paixão é uma idealização que criamos no nosso imaginário sobre o “Outro”. Esse outro não existe a não ser no nosso imaginário. A menina idealiza um príncipe montado num cavalo branco que vai salvá-la da madrasta malvada. O menino idealiza uma princesa linda, meiga e afetuosa que precisa da sua força para protege-la. A paixão não se sustenta por muito tempo. Ao relacionar com a Rosa espetamos nossos dedos nos espinhos e aí, nos sentimos enganados pelo outro e, assim como o personagem do texto, nos decepcionamos com a rosa e passamos a não cuidar dela até ela murchar.

No amor é diferente. Superamos a paixão e suportamos os espinhos por causa da beleza da Rosa. No amor aprendemos a conviver o lado “bruxa” da nossa princesa e o lado “sapo” do nosso príncipe. No amor construímos uma caminhada juntos, enfrentamos desafios, dificuldades e compartilhamos nossas conquistas pessoais e familiares. No amor nós construímos uma parceria, muitas vezes machucada pelos espinhos, mas perfumada e embelezada pela rosa.

Cláudio Martins Nogueira – Psicólogo Clínico –

  • No Comments
  • Setembro 9, 2023
× Como posso te ajudar?