O feijão
By Cláudio

O feijão

Compartilhe

Uma das primeiras experiências da nossa infância com a ciência sem sombra de dúvidas foi a experiência do feijão. Estudando o processo de fotossíntese, colocávamos um bago de feijão no algodão molhado dentro de caixa que tinha um buraco na parte de cima do lado oposto do feijão.

Após alguns eternos dias o bruto nascia e de maneira natural, se envergava todo em direção ao buraco e à luz. Ele precisava para sobreviver fazer o processo da fotossíntese. Precisava sair da caixa.

Da mesma maneira são nossas crianças. Na medida em que ela cresce, ela precisa sair da “caixa” da família e ir de encontro ao infinito, à vida.

A família codependente, na tentativa desesperadora de proteger seus filhos dos riscos do mundo, tampam a caixa. Impede o crescimento do “broto” e, revoltados, os adolescentes se rebelam querendo crescer e não tem espaço para fazerem a sua “fotossíntese”.

Nossos filhos são nossas sementes que precisam de crescer. Eles precisam encontrar um caminho para chegarem no seu “buraco”, encontrando a luz e desenvolvendo assim seus “brotos” em busca da construção da sua história.

Para que isto ocorra, é fundamental aos pais e demais educadores, trabalhar suas carências afetivas, reforçar sua espiritualidade e ir em busca de conhecimento técnico sobre educação e desenvolvimento humano. Desta forma, seremos capazes de libertar nossos filhos e sermos libertos deles também, afinal, quem vigia quem tá preso se encontra preso também.

Assim, queridos pais, não sufoquem seus filhos. Precisamos apenas aguar a semente e acreditar no potencial da mesma seguir o seu curso natural do seu crescimento.

Cláudio Martins Nogueira – Psicólogo Clínico.

  • No Comments
  • Maio 10, 2022
× Como posso te ajudar?