Considerando os Comprometimentos
By Cláudio

Considerando os Comprometimentos

Compartilhe

Preste atenção a seus comprometimentos.

Quanto muitos de nós tememos compromissos, é bom avaliar o custo de qualquer comprometimento de estamos considerando. Precisamos sentir-nos consistemente positivos de que há um compromisso apropriado para nós.

Muitos de nós temos alguma história de mergulhar — de cabeça — em compromissos sem avaliar o custo e as possíveis consequências daquele compromisso em particular. Depois que entramos lá, descobrimos que não queremos realmente comprometer-nos, e nos sentimos presos numa armadilha.

Alguns de nós podemos ter medo de perder uma determinada oportunidade se não nos comprometermos. É verdade que iremos perder certas oportunidades se não estivermos dispostos a nos comprometer. Mas mesmo assim precisamos avaliar o comprometimento. Precisamos estar certos de que aquele comprometimento parece certo para nós. Se não, precisamos ser diretos e honestos com o outro e com nós mesmos.

Seja paciente. Pesquise sua alma. Espere por uma resposta clara. Precisamos comprometer-nos sem urgência ou pânico, mas com a calma confiança de que nos estamos comprometendo com algo que é bom para nós.

Se alguma coisa dentro de nós disser não, encontre a coragem para confiar nessa voz.

Esta não é a nossa última chance. Não é a única oportunidade que jamais teremos. Não entre em pânico. Não temos de nos comprometer com o que não é certo para nós, mesmo se tentarmos convencer-nos de que deve ser bom e de que nos deveríamos comprometer.

Geralmente, podemos confiar mais em nossa intuição do que em nosso intelecto quanto a comprometimentos.

Na excitação de nos comprometermos e começarmos algo, não consideramos as realidades do meio. É isso que precisamos considerar.

Não temos de nos comprometer com urgência, impulsividade ou medo. Temos o direito de perguntar: “Isso é bom para mim?” Temos o direito de perguntar se esse comprometimento é certo.

Hoje, Deus, oriente-me em meus compromissos. Ajude-me a dizer sim para o que for para o meu bem, e não para o que não for. Pensarei duas vezes antes de me comprometer com qualquer atividade ou pessoa. Tomarei tempo para considerar se o compromisso é realmente o que desejo.

A Linguagem da Liberdade – Por Melody Beattie

Transcrito por:

Comitê de Meditações_

MADA@Online SERENIDADE

  • No Comments
  • Maio 9, 2022
× Como posso te ajudar?