A tudo que fui um dia: OBRIGADO…
By Cláudio

A tudo que fui um dia: OBRIGADO…

Compartilhe

Às minhas partes já mortas: OBRIGADO…

Às minhas partes esquecidas que deixei em lugares que já não me lembro: OBRIGADO…

Às minhas partes que já se quebraram em milhares de pedaços e que nunca encontrei de mim: OBRIGADO…

Às minhas partes vazias que alguma vez tentei preencher com distrações, apegos e obsessões: OBRIGADO…

Às minhas partes frustradas e irritadas com esses sonhos que nunca realizei: OBRIGADO…

Às minhas partes que já não vão comigo e já nem me fazem sentido: OBRIGADO…

Às minhas partes que não quis e que não pude abraçar: OBRIGADO…

Às minhas partes que não se atreveram a marcar limites por medo de não ser aceito: OBRIGADO.

Às minhas partes que já se maltrataram e se deixaram maltratar por outros: OBRIGADO…

Às minhas partes que não acreditaram em si mesmas: OBRIGADO…

Hoje eu faço um réquiem para sua despedida. Agradecendo pelo seu trânsito na minha vida, pois é a todas essas versões de mim que agradeço tanto.

Hoje eu despeço e liberto de absoluta rendição a tudo que já cumpriu o seu tempo.

E OBRIGADO a todas as minhas pequenas mortes que hoje há um novo espaço para oportunidade, vida, criação.

Obrigado VIDA e MORTE por dançar harmoniosamente diante de mim. Hoje eu celebro a vida e canto forte diante desse novo nascimento. E às minhas partes já mortas as abraço, as amo, as honro, agradeço e me despeço. Pois foram a melhor coisa que pude fazer por mim naquele momento e lugar, portanto não as críticas, mas que lhes rendo todas as minhas honras.

É por isso que hoje mais do que nunca sinto que posso nascer de novo, e como da primeira vez, nasço nu e sem amarras, novamente como um ser de lótus.

Amarras não são mais necessárias, por isso do novas boas-vindas à autenticidade em toda a sua luz. E desde essa ingenuidade que me permito novamente abraçar a vida, hoje mais forte do que antes, para dar o meu primeiro suspiro neste nascimento.

Querida e amada versão antiga: você já cumpriu seu papel.

OBRIGADO!

Autor desconhecido – Extraído do Facebook – Diário Espírita

  • No Comments
  • Abril 7, 2022
× Como posso te ajudar?