Onde passa um boi passa uma boiada
By Cláudio

Onde passa um boi passa uma boiada

Compartilhe

Uso sempre este ditado popular quando estou atendendo um dependente químico. Mais uma vez a sabedoria do homem do campo, com sua simplicidade nos ensinam muitas coisas. Na roça, o fazendeiro e seus colaboradores ficam muito atentos à manutenção das cercas dos pastos e dos currais, afinal, qualquer arame arrebentado ou poste caído pode fazer com que um boi passe e se perca na floresta. Quando isto acontece, ao passar o primeiro boi, a boiada vai passando lentamente até o curral ficar totalmente vazio, podendo gerar muitos prejuízos ao fazendeiro.
Utilizo esta analogia para explicar a relação de um dependente químico com as drogas. Assim com os bois, o dependente ao fazer o uso da substância, abriu a porteira para as outras entrarem. Com propriedade, os Alcoólicos Anônimos afirmam com convicção: “EVITE O PRIMEIRO GOLE E FREQUENTE ÀS REUNIÕES”. Há 94 anos que a base de recuperação de milhões de alcoólicos em todo o mundo é esta.
Quem sou eu para questionar esta afirmativa. O dependente químico consegue parar de usar as drogas. O que ele não consegue é controlar seu uso. É usar socialmente. Enquanto um dependente químico não compreender e aceitar esta realidade, seu histórico vai ser de recaídas frequentes e a evolução da doença vai continuar levando toda a boiada se perder na floresta.
O máximo que consigo mudar nesta afirmativa do AA é invertê-la, ou seja, acho mais apropriado se ele fosse assim:
“FREQUENTE ÁS REUNIÕES E EVITE O PRIMEIRO GOLE”. Acredito que é frequentando as reuniões, ou seja, fazendo o tratamento ( que não necessariamente só as reuniões) é que o dependente vai conseguir evitar a primeira dose.
Este mesmo raciocínio pode ser levado em consideração pelos codependentes. Espero ter ajudado nesta reflexão.
Cláudio Martins Nogueira – Psicólogo Clínico

  • No Comments
  • Novembro 26, 2021
× Como posso te ajudar?