A síndrome do imperador: Como funciona a Codependencia
By Cláudio

A síndrome do imperador: Como funciona a Codependencia

Compartilhe

A síndrome do imperador é resultado de uma visão distorcida dos pais e outros responsáveis pelas crianças que deixam de estabelecer limites, falta esta que pode gerar graves problemas na sua formação. Quem não sabe viver a frustração corre o risco de entrar em depressão porque é alguém que não sabe ir atrás do que deseja, que não sabe ser grato ao que a vida lhe oferece. É uma atitude narcísica dos pais o que gera tal situação, embora estes não tenham conhecimento disso.

É claro que nós sempre fazemos o que consideramos o melhor para nossos filhos, ninguém com clareza dos riscos a que a criança é exposta o faria.  Sobretudo em um mundo em que as relações estão bastante difíceis, os pais ou outros responsáveis pela criança querem ser amados, querem que os filhos sejam seus amigos, que não se aborreçam com eles. Os pais querem resolver as dificuldades, mas não querem que os filhos se zanguem, não querem se indispor com eles.

Muitos pais também foram vítimas de uma educação autoritária e não desejaram repetir o que vivenciaram, mantendo um clima de camaradagem com os filhos. Entretanto, é importante compreender que estabelecer limites, normas e rotinas domésticas não significa ser autoritário, mas oferecer às crianças o clima necessário que lhes traga segurança e equilíbrio; é assumir a autoridade de quem se responsabiliza por elas e as ama.

Quando os filhos percebem que os pais não conseguem exercer o papel de autoridade e buscam ansiosos pela aprovação dos filhos, os mesmos, de maneira inconsciente, começam a utilizar do recurso da manipulação, aliás, é uma prática predominante na personalidade do adicto em relação ao Codependente. Tudo que o dependente químico faz ou fala (principalmente para a família) é manipulação.

Manipulação é um sintoma da doença. Todos que desenvolvem a dependência química se tornam manipuladores e isso não tem nada a ver com a índole do sujeito. Tudo o que o dependente fala ou faz que renovem a esperança da família de que a situação vai passar naturalmente ou que lhes gera medo, pena e culpa, impedindo-os de tomar alguma providência concreta, faz parte da manipulação.

Na dúvida, sempre é mais proveitoso partir do princípio de que aquela história triste, o arrependimento, a busca repentina por ajuda fazem parte da manipulação. Vale ressaltar que o dependente químico realmente acredita nas coisas que está falando e enquanto alguém não quebrar sua manipulação ele seguirá usando drogas. Por isso dizemos que a manipulação é um sintoma da doença e não do doente.

Paz, sobriedade e bem

Autor desconhecido.

  • No Comments
  • Abril 5, 2021
× Como posso te ajudar?