A força do grupo de apoio
By Cláudio

A força do grupo de apoio

Compartilhe

Negação:

A primeira atitude da família, ao tomar conhecimento da dependência de um de seus membros, é tentar esconder o fato, acreditando que sozinhos serão capazes de resolver a situação e conseguirão ajudá-lo a se livrar do enrosco em que ele se meteu, porém, não basta querer ajudar, é preciso saber ajudar e na busca por esse saber os grupos de apoio são extremamente importantes.

Culpa, medo, vergonha e isolamento:    

Sentimentos como culpa, medo e vergonha nos fazem retrair e buscar o isolamento, no entanto, essa é a pior decisão, pois o que mais precisamos nesse momento é de ajuda, de apoio e de orientação. Sozinhos perdemos forças, sentimo-nos perdidos e fragilizados, tornamo-nos alvo de fácil manipulação, passíveis de chantagens e não raro, adoecemos.

A solidão:

Sozinhos enfrentamos o medo, os problemas, os desgastes, além do preconceito de muitos. Assistimos o afastamento de pessoas amigas ou familiares e não sabemos mais a quem recorrer. Ouvimos muitos conselhos, mas a maioria deles vinda de pessoas bem intencionadas, no entanto, despreparadas em relação ao problema e o que conseguem é apenas aumentar o nosso sentimento de culpa.

O companheirismo no grupo de apoio:

Os grupos de apoio do programa Amor-Exigente não possuem uma receita pronta, não apresentam soluções mágicas e nem prometem milagres, mas ao chegarmos nos grupos percebemos, desde o primeiro instante, que não estamos mais sozinhos. Na partilha falamos e somos ouvidos com atenção e respeito, sem acusações e sem críticas.

A esperança de dias melhores:

As trocas de experiências no grupo, norteados pelos seus princípios básicos e éticos, potencializam a nossa capacidade de enfrentamento do problema e assim começamos a recuperar a esperança perdida. Aprendemos a agir com equilíbrio ao invés de só falar, traçamos metas para alcançarmos objetivos.

A importância da perseverança:

Porém, para nos beneficiarmos desses encontros precisamos de perseverança. Costumo comparar os trabalhos de um grupo à fase de crescimento dos nossos filhos. Quem tem filho pequeno e o acompanha todos os dias, não se dá conta do quanto ele está crescendo. Quando encontramos pessoas que não o vê a um determinado tempo, logo ouvimos: – “Nossa como ele cresceu”! Assim também acontece nos grupos. Desde as primeiras reuniões experimentamos mudanças positivas na busca da solução, entretanto a ansiedade em solucionar rapidamente o problema faz com que muitos não percebam sua evolução e se afastam, preferindo o isolamento. Aos que permanecem são surpreendentes os resultados alcançados.

A capacitação no grupo de apoio – Nossa força:

Isolamento não resolve problemas. Os grupos de apoio não fazem mágicas, mas nos capacitam para lidarmos com um problema de alta complexidade de forma assertiva e orientada, amplia nossa visão de mundo, potencializa nossa capacidade de enfrentamento dos desafios e nos devolve a esperança de retomar os rumos da nossa vida e da nossa família. Por tudo isso, procurem por um grupo de apoio e usufruam do seu poder transformador.

Nós temos a força

Celso Garrefa – www.aesertaozinho.blogspot.comm.br

Adaptação: Cláudio Martins Nogueira – psicólogo clínico

  • No Comments
  • Outubro 16, 2020
× Como posso te ajudar?