Desapego não é desamor
By Cláudio

Desapego não é desamor

Compartilhe

A família com problemas de drogas que se depara com o tratamento nos grupos de ajuda mútua tomam maior susto na primeira reunião quando ouve falar do Amor Exigente.

Lembro há 30 anos um comentário da minha irmã logo que saímos de uma reunião da Família de Caná: “Cláudio aquele povo é doido. O amor não exige nada. Ele é incondicional”.

Depois de alguns anos, já coordenando as reuniões de familiares com problemas de álcool e outras drogas, passei por uma experiência incrível com um senhor já de cabelos brancos que estava participando.

Eu estava falando da importância da família colocar limites na “loucura” dos dependentes químicos usando os princípios do Amor Exigente, para gerar a crise, quando este senhor pediu a palavra dizendo:

– Com licença jovem, respeito a sua opinião, mas isto que você esta falando não tem fundamentação Bíblica. O amor de Deus é doação e não é exigente. Veja o exemplo da parábola do filho pródigo. O pai fez uma grande festa com o retorno do seu filho que estava perdido. Ele não exigiu nada.

Desconcertado e sem graça, especialmente porque muitas mães concordaram com este posicionamento, não sabia o que responder para este senhor. A situação ficou mais tensa ainda quando ele se identificou:

– Sou Teólogo e professor de Teologia na PUC. Não posso concordar com um absurdo como esse que você acabou de falar.

Não pergunte de onde tirei isto, mas, de repente veio na minha mente a seguinte resposta:

– Sim senhor, tem razão sobre este ponto de vista, porém, nesta mesma parábola, hora nenhuma Jesus fala que o pai foi atrás do filho quando ele estava gastando sua herança com mulheres, bebidas e farras. O pai deixou seu filho chegar no seu “fundo do poço” e esperou ele voltar humilde para a casa do seu pai.

E acrescentei…

– E o mais bonito desta parábola é que ela é uma parábola. Jesus na verdade queria dizer que o “filho pródigo” somos nós que de alguma forma viramos as costas para o Poder Superior e, pegamos nossa “herança” e resolvemos seguir nossa vida longe Dele.

Assim, de maneira surpreendente, o senhor me respondeu:

– Muito interessante sua colocação. Nunca tinha percebido esta passagem desta maneira.

O grupo entendeu com mais clareza o que é o Amor Exigente, não como o antônimo de Amor incondicional, mas sim, como o sinônimo do desapego, ou seja, amamos tanto o outro que damos a liberdade ao mesmo para fazer suas escolhas e arcar com as consequências das mesmas, sejam elas boas ou ruins.

Desapegar-se, portanto não é desamor. Pelo contrário, é tanto amor que você abre mão do outro se o mesmo fizer escolhas que não condizem com seus princípios éticos e morais, ficando sempre, de braços abertos para recebê-lo quando ele quiser voltar.

Cláudio Martins Nogueira – Psicólogo Clínico

  • No Comments
  • Setembro 24, 2020
× Como posso te ajudar?