Os dez erros do dependente químico – II
By Cláudio

Os dez erros do dependente químico – II

Compartilhe

Dando continuidade a edição anterior, vamos enumerar aqui mais cinco erros que a maioria dos dependentes químicos comete ao tentar parar de usar drogas. Já vimos que ele tenta parar de usar drogas sozinho, que subestima a doença, fica muito ansioso para recuperar o tempo perdido nas drogas, tende a se envolver com pessoas e lugares da ativa e insiste em negligenciar o tratamento.

Vejamos os demais erros:

6º erro:  – Acreditar que pode tomar só uma dose:  O sonho de todos os dependentes químicos não é parar de usar drogas, mas sim, usá-la socialmente sem que isto interfira na sua vida familiar, social e profissional. Desta maneira, sua mente fica o tempo todo instigando ele a insistir em tomar só uma. O que ele não pode é exagerar. Infelizmente, em se tratando de um dependente químico, isto não é sonho. Isto é fantasia.

Todos que teimam a não respeitar este princípio tende a voltar ao uso abusivo, mais cedo ou mais tarde.

7º erro: Não estudar sobre a doença e tratamento: Como a maioria dos dependentes se afasta dos livros e cadernos por causa da droga, eles perderam o hábito de leitura e de estudos. Assim, ao iniciar o tratamento, poucos conseguem se dedicar ao conhecimento da sua doença e o processo do tratamento. Este fato dificulta a compreensão do que esta acontecendo consigo mesmo e é mais um obstáculo do entendimento dos passos para um tratamento eficiente e eficaz;

8º Erro: Deixar o orgulho tomar conta: Com pouco tempo de abstinência da droga, o dependente passa a acreditar que é mais forte do que sua doença e que, participar das reuniões de apoio, ir no psicólogo e no psiquiatra é perda de tempo. Este é o famoso erro do “chá do játobão”. Seu orgulho passa a ser maior do que sua humildade. A recaída é quase certa quando isto acontece;

9ºErro: Confundir parar de usar drogas com sobriedade: Parar de usar drogas é se abster do seu uso. O dependente acredita que isto é sobriedade. Nos Alcoólicos  Anônimos tem um termo que exemplifica bem isto: Alcoólicos que só tamparam a garrafa. Os defeitos de caráter durante todo o período da adicção continuam ali cada vez mais fortes. Na Sobriedade, além de parar de fazer uso da substância psicoativa, os defeitos de caráter são tratados, melhorados e até mesmo eliminados. A serenidade e o crescimento espiritual são metas almejadas com muita dedicação e empenho.

10º Erro – Negligenciar a espiritualidade do 12ºpasso: Muitos dependentes em recuperação ao conseguirem um tempo de sobriedade e abstinência se afastam dos grupos de apoio e da espiritualidade. Deixam de exercitar o passo mais importante para consolidar seu tratamento: “Tendo experimentado um despertar espiritual graças a estes passos, procuramos transmitir esta mensagem aos nossos companheiros alcoólicos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades”.

  • No Comments
  • Setembro 21, 2020
× Como posso te ajudar?