Papo de maconheiro – Parte 3
By Cláudio

Papo de maconheiro – Parte 3

Compartilhe

Argumento n: 05 – A maconha não provoca dependência. Meu problema foi à cocaína e o crack:

Infelizmente, alguns profissionais da área da saúde aumenta o coro dos usuários de maconha. Talvez por eles mesmos fizerem uso desta substancia, tentam argumentar que a maconha não provoca dependência.

Trabalho a 30 anos com dependentes de álcool e outras drogas e já incontáveis dependentes desta droga. Jovens que preferem a maconha aos bancos de escola, do que um trabalho digno e muitas vezes trocaram até mesmo o convívio com seus familiares por causa desta droga.

É óbvio que nem todos que experimentam e fazem uso eventualmente vão desenvolver a dependência. Pouco se sabe quantos vão desenvolver a doença, porém um número significativo vai ter sérios problemas com seu uso.

Outro agravante nesta argumentação é que o dependente faz a comparação com o “estrago” que as outras drogas provocam em relação à maconha. Qualquer pessoa que estudar um pouco sobre a dependência química chega à conclusão que a dependência em cocaína e crack é muito mais graves do que da maconha.

Se o jovem dependente de maconha fizer uma comparação com o colega que não faz uso desta droga verá com clareza os prejuízos que a maconha provocou na sua vida pessoal (escola, trabalho, familiar e social).

Assim, este argumento é uma falácia. Uma mentira deslavada que só é possível explicar por interesses corporativos ou pessoais.

 

Argumento n: 06 – A maconha é medicinal:

Costumo brincar que a maconha foi promovida do status de “natural e não faz mal” para o status de “medicinal”. Infelizmente os dois argumentos são equivocados. O que a medicina esta comprovando é que alguns componentes da maconha possuem efeitos terapêuticos se extraídos da planta Canabis Sativa.

A maconha possui cerca de 421 substancias químicos diferentes, dentre elas, a mais conhecida das substancias da maconha é o THC (Tetrahidrocanabinol). Ele já é utilizado como medicamento em casos de Glaucoma, em estados terminais de AIDS e Câncer e de outras doenças degenerativas, com a finalidade de abrir o apetite e evitar náuseas provocadas pelos medicamentos. Desta forma, o paciente terá uma sobrevida melhor.

Outra importante substancia encontrada na maconha é o CDB (Canabidiol). Estudos clínicos rigorosos ainda são necessários para se avaliar o potencial clínico do canabidiol para condições específicas. Entretanto, pesquisas pré-clínicas (incluído culturas celulares e modelos animais) têm mostrado que o canabidiol tem diversos efeitos que podem ser úteis terapeuticamente como anticonvulsionantes,  neuroprotetores e anti-inflamatórios, além de efeitos antitumorais, antipsicóticos e ansiolíticos.

É necessário ressaltar que estas substancias são retiradas da planta e produzidas com todo o rigor científico, indicada por profissionais de saúde para casos específicos como remédios para aliviar a dor e melhorar a qualidade de vida do paciente.

O uso aleatório da droga, além de poder provocar dependência, pode comprometer ainda mais os quadros de saúde dos portadores destas patologias.

Diante disto fica fácil constatar que não existe maconha medicinal, existe duas substancias da maconha que podem ser usado pela medicina.

  • No Comments
  • Dezembro 3, 2019
× Como posso te ajudar?